quinta-feira, 26 de novembro de 2009

CANÇÃO DO TÁTICO





Leva ao pé da letra o juramento
Competência pra atender qualquer missão
Coragem, lealdade, compromisso!
É o lema desse grupo de irmãos

Braço forte, ombro amigo!
Lado a lado com a população
Desse jeito o inimigo
Fica sem nenhuma reação!

Mesmo com o risco das suas vidas
Honram com orgulho a farda azul!
Fiéis soldados sempre alerta
Comando do Mato Grosso do Sul

Sacerdócio de trabalho incessante
Superando desafios, toda a dor!
A cada vitória atingida
Agradecem a Deus Nosso Senhor!

Na doutrina de polícia cidadã
Se destaca sincero compromisso
Na defesa da ordem e da justiça
São guerreiros combatentes e destemidos!

domingo, 22 de novembro de 2009

EU QUERO SOL NESSE JARDIM

Música do grupo Catedral.
Clique aqui para ouvir

PRIMEIRO MERGULHO DO NICOLAS

video

ADOLESCÊNCIA DURA

Poesia de minha autoria que discute os conflitos da adolescência até as últimas conseqüências; musicada para concorrer ao Hino das Medidas Socioeducativas.
Ouça aqui

sábado, 21 de novembro de 2009

AMOR MENINO




Engano seu acreditar que o meu amor morreu
Estava o tempo todo a te esperar
Sentado no mesmo lugar da nossa despedida
Contando as horas pra você voltar e retomar a nossa vida!

Durante o tempo de sofrimento
Em nenhum momento eu quis te perder
Eu sonhava com você!
Eu respirava você!
Eu vivia pra você!
Esse amor nunca vai morrer!

Os meus dias estão mais radiantes
As noites mais estreladas
A minha estrada já não esta mais distante
Porque tenho você nessa caminhada!

Caminhando nós vamos seguindo
Não importa o caminho tomar
O importante é chegar em qualquer destino
E retomar esse amor menino!
Di Freitas

ÚLTIMO SUSPIRO





Como te esquecer
Se a meiguice do seu olhar
Me fez apaixonar!

É tão bom te querer
Mesmo sabendo que já tens dono
Por você eu perco o sono!

Tolice minha iludir-me assim
Ficar sem você é tão ruim
Parece que falta um pedaço de mim!

Contento-me com sua amizade
Vou deixando a infelicidade me matar
No ultimo suspiro é seu nome que vou gritar!

Di Freitas

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

HINO DAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS






Não sei por que você errou
Não estou aqui pra te julgar
Mas a Medida Sócioeducativa
Vou ter que aplicar

Entendo sua revolta
Você tem o seu valor
No fundo o que faltou
Foi presença do amor

Adolescência dura!
Conflitos têm demais
Ora na escola,
Ora com seus pais

Quando não há mais saída
Para preservar sua vida
Você vai para a UNEI
Lá tem pessoas comprometidas pra te atender eu sei

O sócioeducador
Não é um mau feitor
Nem um anjo protetor
Ele vai te ajudar
Pra sociedade retornar.

A sua vida vai mudar
Pra mais alegre, mais azul
Não há lugar melhor
Que o Mato Grosso do Sul




Di Freitas

MULHER SENSUAL





Você merece uma poesia
Eu começo a rimar
Versos feitos de magia
Inspirados na beleza do seu olhar!

Dei a adeus a nostalgia depois que te conheci
Dia e noite fico a pensar
Alegrias, fantasias vamos realizar

Mulher de curvas sensuais
Faz-me sentir o melhor dos homens
O mais feliz dos mortais
Quando dessa boca linda saem sussurros de ais!

Completa e carinhosa
Manhosa por natureza
Leva-me a um mundo de sonhos
Quando se despe pra mim!
Tudo o que eu queria
Era que esse momento não tivesse fim

Di Freitas

CULPA





Olhos embaçados pela lágrima que vai cair
Sentimento de culpa de um amor que deixou partir
Não deu valor quando tinha na mão
A magia do amor, a doçura da paixão!

Fechado nesse mundo solitário
Ignora o brilho das manhãs
O canto dos pássaros, as cores vivas do Flamboyant

Condenado a sentir dor
Não se importa mais com a vida
Não quer saber do amor
Não busca cura pra ferida!

De mãos dadas com o sofrimento
Caminha pro abismo escuro do fim
Em busca da paz, livrar-se desse tormento!
Acordar em outro jardim!

Di Freitas

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

DE PAI PRA PAI




Meu velho pai vá descansar
Deixa o fardo eu carregar

Lembro do seu braço forte quando ainda tinha
Dos cabelos brancos que na cabeça surgia

Lembro das manhãs escuras quando saia
Pedia a Deus para te guiar
E no fim da tarde voltar pro seu lar

Desde cedo sempre trabalhou
Na roça e na cidade
Com muita felicidade

Lembro da marmita quentinha
Preparada com muito amor pela nossa mãezinha
Quase sempre estragava!

O sol não perdoava
O seu corpo castigava!

As coisas não acontecem por acaso
Acho que tudo tem uma missão
Quando perdeu o braço
Mostrou que tinha Deus no coração

Não teve revolta
Não teve maldade
Mas teve amor e fidelidade!

Velho herdeiro do Jangada
Ainda tem uma longa caminhada
Não estais sozinhos nessa Jornada

Estamos aqui pra te ajudar
Me de esse fardo que eu vou carregar

Di Freitas

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

SEGREDOS





Nem que me tortures abrirei
A verdade está trancada a sete chaves
O meu coração é seu
Os segredos jamais revelarei!

Não deixe a curiosidade alimentar
Essa vontade de decifrar
Os segredos que eu prefiro ocultar

Segredos são segredos!
Convivo bem com os meus
O que me perturba são os seus

Inocentes segredos seus
Tão inocentes diante dos meus!

Di Freitas

RARIDADE





Por que choro quando falo de amor?
Por que busco sua presença na lua imensa
Na essência da flor?

Por que choras quando me declaro?
Por ser talvez um momento raro?
Choro por que eu e você somos nós
E nós somos um!

Busco-te na lua
Mas não é qualquer lua
Tem que ser a lua cheia
A mais bela!
A mais clara!

Na essência da flor mais rara não te encontrei!
És única e a nada se compara!
És sensível e doce!
Apesar do desgosto que outrora cometi
Insiste em me amar!

Talvez por isso chore
Sua sensibilidade me emociona
E me faz voar
Numa vontade incessante de te encontrar!

Di Freitas

AMOR FACEIRO





Amor verdadeiro não é rotineiro
É brincalhão é faceiro!
É som de viola de cocho
Tem traços de pantaneiro!

É a alegria da gurizada num grupo de escoteiros
Correndo, armando barracas, ordem unida com Baloo, fiel companheiro!
Chamado pelo Senhor, Baloo recebeu a missão:
Formar anjos escoteiros para serem fieis escudeiros!

Falar de amor, sentir o amor, viver o amor
Momento impar na vida de cada um
Eu e você somos nós e nós somos um!

Amor verdadeiro não é rotineiro
É viajar pelos campos no trem pantaneiro
Curtir a paisagem que não há igual no mundo inteiro!

Di Freitas

domingo, 8 de novembro de 2009

SANTA MÃE




“Fomos o que tu és, será o que somos”
Muitas vezes perdi o sono
Pensando nessa frase que eu vi naquele lugar
Onde agora preciso visitar

Lá é a morada de uma santa que eu vi praticar
Toda a bondade que o ser humano pode dar!

A sua partida foi o dia mais triste da minha vida
Nem consigo acreditar
Que fui capaz de suportar!
Mas Deus me deu força
Eu consegui superar!

Não vou comparar a minha mãezinha
A minha é diferente da sua
A sua não é igual a minha!

Minha mãe estava sempre pronta a ajudar
Com comida, com carinho
Qualquer pessoa que a fosse procurar!

Definitivamente mãe não é tudo igual
Recuso-me a comparar
Com aquela que eu vi deixar
Sua filha num saco plástico numa lagoa
Que só não morreu por curiosidade de uma pessoa!

Filho querido, nunca deixe de expressar
Pra essa santa que você tem no seu lar
A doce magia do verbo amar!

O dia está belo!
O sol a brilhar!
Espere mãezinha
Em breve vamos nos encontrar

Di Freitas

AVENTURA



Passageira fugaz, segue em frente
Esse caminho pode ter apenas a duração de uma onda
Que não é uma viagem, mas apenas uma ronda

Você não está mais perdida
Mas encantada e agradecida ao amigo barqueiro
Porém o lago ficou pequeno
Para a barca e o veleiro

Ambos iguais:
Ela aventura
Ele aventureiro

Di Freitas

AINDA HÁ TEMPO




Como dói não ter você
É um sofrer sem explicação
Pensamentos confusos, aflição!

Mau humor...
Culpa da dor que não quer sarar
Insiste em torturar a pobre alma
Que só sabe amar!

Elevo os meus olhos diante de Deus
Suplico para esquecer os teus
Que se faz presente a todo o momento
É muita dor, muito amor e sofrimento!

Ainda há tempo pra nós dois
Não deixe pra depois
A fé é forte
O pedido foi de coração
Depois não tem perdão!

Di Freitas

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

SOPRA VENTO





O vento que sopra agora, não é mais de saudade
Mas de intensa felicidade por uma mulher aventureira
Foi longa a viagem, ainda lembro as pegadas na areia

O brilho da tua alma ofuscou os meus olhos
Que parou de sonhar com a barca brilhante
Agora vai ao mar com seu verdadeiro amante

Sopra vento, acaricia meu rosto
Seca a minha lágrima
Tira-me o desgosto

Transporta para os mares mais distantes
A barca brilhante e os amantes
Não traga mais teu cheiro
Deixei de ser aventureiro!

Di Freitas